Livro Rastros do Oculto – da História À Teologia do Príncipe Das Trevas Aos Selados de Deus

Você já leu o livro Rastros do Oculto – da História À Teologia do Príncipe Das Trevas Aos Selados de Deus

Alguém caminha furtivamente pela História da humanidade. Sua inteligência excede a dos sábios, e sua força, a dos grandes. O príncipe que vem desde o princípio cedeu lugar ao desejo, e sua sina foi determinada. As evidências ficam ao longo de seus passos, deixando entrever a malignidade do que está sendo arquitetado.

Livro Rastros do Oculto - da História À Teologia do Príncipe Das Trevas Aos Selados de Deus
Livro Rastros do Oculto – da História À Teologia do Príncipe Das Trevas Aos Selados de Deus

Nesse contexto, o homem busca as mais diferentes explicações para o Mal, e lhe atribui diversos nomes, mas sem entender de onde ele realmente provém.

Com explanação agradável, Rastros do oculto parte das grandes civilizações da Antiguidade, passando pelos celtas e druidas, chegando à Igreja Católica, às Cruzadas e à Inquisição; segue pelo protestantismo de Lutero e culmina nas grandes expansões marítimas da Era Moderna. Aborda, de maneira complementar, alguns segredos que envolvem portais dimensionais, astronomia, as antigas pirâmides do Egito e os megálitos como Stonehenge.

Os temas não poderiam findar sem um amplo passeio pelos aspectos históricos e teológicos do Antigo e do Novo Testamento. Trata-se de uma literatura única em sua abordagem e em seus conceitos.

Os egípcios cultuavam inúmeros deuses, com funções e aspectos variados. Existiam deuses cultuados em todo o Egito e outros adorados apenas em determinados lugares. Entre os primeiros estavam os deuses ligados à morte e ao enterro, como Osíris.

O culto a Ísis e a Osíris era o mais popular no Egito Antigo. Acreditava-se que Osíris e sua irmã-esposa, Ìsis, tinham povoado o Egito e ensinado aos camponeses as técnicas  de agricultura. Conta a lenda que o deus Set apaixonou-se por Ísis e por isso assassinou Osíris. Esse ressuscitou e dirigiu-se para o Além, tornando-se o deus dos mortos.

Os antigos egípcios acreditavam que as lágrimas de Ísis, que chorava a morte do esposo, eram responsáveis pelas cheias periódicas do Nilo. Também era adorado o deus Hórus, filho de Ísis e Osíris.

Estas divindades possuíam algumas características (poderes) acima da capacidade humana. Poderiam, por exemplo, estar presente em vários locais ao mesmo tempo, assumir várias formas, até mesmo de animais e interferir diretamente nos fenômenos da natureza. As cidades do Egito Antigo possuíam um deus protetor, que recebia oferendas e pedidos da população local.

Os deuses egípcios têm muito em comum com os homens: podem nascer, envelhecer, morrer: possuem um corpo que deve ser alimentado, um nome, sentimentos. No entanto, estes aspectos muito humanos escondem uma natureza excepcional: seu corpo, composto de matérias preciosas, é dotado de um poder de transformação, suas lágrimas podem dar nascimento a seres ou minerais. Os poderes dos deuses são sempre comparados a algumas propriedades dos elementos da natureza ou dos animais, o que dá lugar a representações híbridas às vezes espantosas.

PESO 0.35 Kg
EDITORA Ágape
I.S.B.N. 9788582161005
ALTURA 23.00 cm
LARGURA 16.00 cm
PROFUNDIDADE 2.00 cm
NÚMERO DE PÁGINAS 352
IDIOMA Português
ACABAMENTO Brochura
CÓD. BARRAS 9788582161005
NÚMERO DA EDIÇÃO 1
ANO DA EDIÇÃO 2016
AUTOR Mastral, Isabela; Mastral, Daniel

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *