Livro Dançar Tango Em Porto Alegre – leia ainda hoje

você já leu o livro Dançar Tango Em Porto Alegre

Livro Dançar Tango Em Porto Alegre - leia ainda hoje
Livro Dançar Tango Em Porto Alegre – leia ainda hoje

Nesta premiada coletânea de contos, o leitor encontrará condensado o universo ficcional de Sergio Faraco – um dos maiores contistas brasileiros vivos. Obra de um autor-artesão que preza a palavra exata, a tensão contida e, sobretudo, os dramas internos do indivíduo, Dançar tango em Porto Alegre mostra não pérolas, mas gemas cuidadosamente lapidadas da narrativa curta brasileira contemporânea, concentradas em três temas prediletos do autor. Primeiro, contos desenvolvidos na paisagem rural fronteiriça do Rio Grande do Sul, onde os protagonistas debatem-se intimamente entre, de um lado, a tentativa de reter valores ancestrais e o próprio passado que se esvai e, do outro, a submissão à modernização e à passagem do tempo; em segundo lugar, narrativas sobre o trespassar da inocência infantil por fortes experiências emocionais e de iniciação sexual; e, por último, contos sobre o indivíduo que, melancólico e solitário, não se adapta ao espaço urbano.

O resultado de tal visão de mundo combinada com a exigência artística de Faraco são contos que transmitem a sensação de conterem tudo que havia a ser dito, e de não dizerem nada que não seja absolutamente necessário e vital. Dançar tango em Porto Alegre recebeu da Academia Brasileira de Letras o Prêmio Nacional de Ficção.

Contos:

‘Dois guaxos’
‘Travessia’
‘Noite de matar um homem’
‘Guapear com frangos’
‘O vôo da garça-pequena’
‘Sesmarias do urutau mugidor’
‘A língua do cão chinês’
‘Idolatria’
‘Outro brinde para Alice’
‘Guerras Greco-Pérsicas’
‘Majestic Hotel’
‘Não chore, papai’
‘Café Paris’
‘A dama do bar Nevada’
‘Um aceno na garoa’
‘No tempo do trio Los Panchos’
‘Conto do inverno’
‘Dançar tango em Porto Alegre’

saiba mais sobre o autor

Sergio Faraco nasceu em Alegrete, no Rio Grande do Sul, em 1940. Nos anos 1963-5 viveu na União Soviética, tendo cursado o Instituto Internacional de Ciências Sociais, em Moscou. Mais tarde, no Brasil, bacharelou-se em Direito. Em 1988, seu livro A dama do Bar Nevada obteve o Prêmio Galeão Coutinho, conferido pela União Brasileira de Escritores ao melhor volume de contos lançado no Brasil no ano anterior. Em 1994, com A lua com sede, recebeu o Prêmio Henrique Bertaso (Câmara Rio-Grandense do Livro, Clube dos Editores do R.G.S. e Associação Gaúcha de Escritores), atribuído ao melhor livro de crônicas do ano. No ano seguinte, como organizador da coletânea A cidade de perfil, fez jus ao Prêmio Açorianos de Literatura – Crônica, instituído pela Prefeitura Municipal de Porto Alegre.

Em 1996, foi novamente distinguido com o Prêmio Açorianos de Literatura – Conto, pelo livro Contos completos. Em 1999, recebeu o Prêmio Nacional de Ficção, atribuído pela Academia Brasileira de Letras à coletânea Dançar tango em Porto Alegre como a melhor obra de ficção publicada no Brasil em 1998. Em 2000, a Rede Gaúcha SAT/RBS Rádio e Rádio CBN 1340 conferiram ao seu livro de contos Rondas de escárnio e loucura o troféu Destaque Literário (Obra de Ficção) da 46ª Feira do Livro de Porto Alegre (Juri Oficial). Em 2001, recebeu mais uma vez o Prêmio Açorianos de Literatura – Conto, por Rondas de escárnio e loucura. Em 2003, recebeu o Prêmio Erico Veríssimo, outorgado pela Câmara Municipal de Porto Alegre pelo conjunto da obra, e o Prêmio Livro do Ano (Não-Ficção) da Associação Gaúcha de Escritores, por Lágrimas na chuva, que também foi indicado como Livro do Ano pelo jornal Zero Hora, em sua retrospectiva de 2002, e eleito pelos internautas, no site ClicRBS, como o melhor livro rio-grandense publicado no ano anterior. Em 2004, a reedição ampliada de Contos completos é distinguida com o Prêmio Livro do Ano no evento O Sul e os Livros, patrocinado pelo jornal O Sul, TV Pampa e Supermercados Nacional.

No mesmo evento, é agraciada como o Destaque do Ano a coletânea bilíngüe Dall’altra sponda/Da outra margem, em que participa, ao lado de Armindo Trevisan e José Clemente Pozenato. Ainda em 2004, seu conto “Idolatria” aparece na antologia Os cem melhores contos brasileiros do século, organizada por Ítalo Moriconi. Em 2007, assina contrato com a Rede Globo para a realização de uma microssérie baseada no conto “Dançar tango em Porto Alegre”, com direção de Luiz Fernando Carvalho.

No mesmo ano, recebe o prêmio de Livro do Ano – Categoria Não-Ficção, da Associação Gaúcha de Escritores, pelo livro O crepúsculo da arrogância, e o Prêmio Fato Literário – Categoria Personalidade, atribuído pelo Grupo RBS de Comunicações. Em 2008, recebe a Medalha Cidade de Porto Alegre, concedida pela Prefeitura Municipal, e tem seu conto “Majestic Hotel” incluído na antologia Os melhores contos da América Latina, organizada por Flávio Moreira da Costa. Em 2009, seu conto “Guerras greco-pérsicas” integra a antologia Os melhores contos brasileiros de todos os tempos, organizada por Flávio Moreira da Costa. Em 2010, recebe da Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre o Prêmio Joaquim Felizardo (Literatura). Seus contos foram publicados nos seguintes países: Alemanha, Argentina, Bulgária, Chile, Colômbia, Cuba, Estados Unidos, Luxemburgo, Paraguai, Portugal, Uruguai e Venezuela. Reside em Porto Alegre.

 

PESO 0.12 Kg
EDITORA L&PM
I.S.B.N. 8525409391
ALTURA 13.00 cm
LARGURA 11.00 cm
PROFUNDIDADE 1.00 cm
NÚMERO DE PÁGINAS 156
IDIOMA Português
ACABAMENTO Brochura
CÓD. BARRAS 9788525409393
NÚMERO DA EDIÇÃO 1
ANO DA EDIÇÃO 1998
AUTOR Faraco, Sergio

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *