marx

Livro O Problema da Crise Capitalista Em o Capital de Marx – leia agora

Você já leu o livro O Problema da Crise Capitalista Em o Capital de Marx

“O Problema da Crise Capitalista em O Capital de Marx” é uma original e instigante introdução à concepção de crise que permeia a crítica da economia política. Escrito pelos professores Hector Benoit e Jadir Antunes, dois profundos conhecedores do método e da teoria de Marx, o livro resgata a relação necessária entre crise e revolução.

Livro O Problema da Crise Capitalista Em o Capital de Marx - leia agora
Livro O Problema da Crise Capitalista Em o Capital de Marx – leia agora

Ao mostrar que a crise abre brechas históricas que permitem a autonomia da política, colocando na ordem do dia a luta pela reorganização do modo de produção capitalista ou pela sua superação, Benoit e Antunes evidenciam as contradições que polarizam a luta de classes. Dirigido aos intelectuais orgânicos engajados na luta pela revolução comunista, O problema da crise capitalista em O Capital Marx é uma contribuição substantiva ao debate sobre as implicações revolucionárias da teoria do valor elaborada na crítica da economia política.

É um livro para ser estudado e discutido por todos que compreendem a importância da crítica como arma estratégica na luta da classe trabalhadora contra a barbárie capitalista.

saiba mais sobre o autor

Hector Benoit
Com seu livro, o prof. Benoit enfrenta, no âmbito específico da história da filosofia, a ampla e secular questão de como compreender e explicar as obras humanas em sua especificidade simbólica. Isto é feito através de severa crítica à atitude cientificista vigente nessa área da filosofia e, também, através do método imanentista que Benoit propõe para a leitura e interpretação de textos – tomando como exemplo de sua aplicação os Diálogos de Platão.

Lembremos sumariamente este contexto mais amplo em que se situa o projeto de Benoit. Por um lado, trata-se de evitar a redução da análise e do estudo das obras humanas ao método das ciências da natureza, uma vez que estas obras comportam um aspecto simbólico específico, irredutível aos métodos destas ciências. Será preciso, então, forjar outro método para compreender e explicar os fatos humanos que permita preservar a objetividade das análises – i.e., evitando que o investigador projete elementos subjetivos e culturais sobre aquilo que investiga. Toda a dificuldade, como sabemos, está em caracterizar, neste caso, a medida da objetividade – objetividade cujo sentido não corresponderá, sem dúvida, àquele vigente nas ciências da natureza. Os fatos naturais interessam ao cientista na medida em que possam ser reduzidos a relações quantificáveis e mecânicas de causalidade, pois isto basta para que sejam completamente explicados, ainda que provisoriamente, por modelos segundo os critérios das respectivas teorias. Com esta redução metodológica, o cientista esgota a sua tarefa de explicar o mecanismo dos fatos naturais – e, caso tente fazer algo aquém ou, além disto, estará extrapolando o campo da atividade científica.

No caso dos fatos simbólicos, produtos do trabalho humano – como a obra de Platão – a dificuldade torna-se mais desafiadora, na medida em que o pesquisador estará sempre mais ou menos diretamente envolvido com os fatos que pretende explicar, por ser, ele próprio, um agente simbólico. Na verdade, o pesquisador quer explicar algo que ele compreende, i.e., o sentido do fato, e sabe que não poderá fazê-lo exclusivamente através de modelos quantitativos e causais – tal como nos mostra a recente história das diversas tentativas de formalização dos fatos humanos. Uma das lições da história das ciências parece ser que a explicação mecânico-causal e formalizada dos aspectos naturais dos fatos leva ao conhecimento provisório de como são os fatos, de seus processos e mecanismos – enquanto que o reconhecimento da natureza irredutível do seu aspecto simbólico a esse modo de explicação leva, negativamente, à melhor compreensão do sentido que lhes atribuímos, a saber, do fato de que existam – o que não é um conhecimento de fatos.

MARCA Paco Editorial
I.S.B.N. 9788546202782
ALTURA 21.00 cm
LARGURA 14.00 cm
PROFUNDIDADE 1.00 cm
NÚMERO DE PÁGINAS 212
IDIOMA Português
ACABAMENTO Brochura
PESO 0.270 Kg
CÓD. BARRAS 9788546202782

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *